Qualquer jogo pode ser adaptado para a escola

Por Ivani Cardoso

Nos últimos anos os games dominaram vários espaços da cultura e estão na literatura, na música, nas redes sociais, no cinema e também na escola, principalmente pelo poder de despertar o interesse dos nativos digitais. Dados da Associação Brasileira das Desenvolvedoras de Jogos Eletrônicos revelam que 25% dos jogos produzidos no Brasil são para fins educacionais. Gamificação foi o tema de Pá Falcão, artista e game designer, em palestra recente no Hello Future, do Centro de Experiência da Full Sail University, em São Paulo.

Confira a íntegra da entrevista:

Qual é sua formação?
Sou formada em Informática pelo ITA com pós-graduação em Jogos Cooperativos pela Unimonte e presidente da Pá Falcão DHO & Games.

Quais são os benefícios da Gamificação no ensino?
O método aproveita as melhores ideias de um jogo para serem aplicadas no cotidiano, trabalhando a criatividade e inovação.  Procura tornar a aula mais interessante e melhora o índice de retenção do conhecimento do aluno em até 80% mais que uma aula tradicional.

Os professores para utilizar em sala de aula precisam de um treinamento especial?
Sim. Não é um treinamento muito complexo, mas precisam estar preparados para usar a ferramenta da melhor maneira possível.

Como você vê o ensino atual?
Acho que o maior problema é realmente a preparação do professor. Hoje é mais importante os alunos aprenderem do que o professor ensinar.
O professor precisa ajudar o aluno a aprender a Ser, a Fazer, a Aprender e a se Relacionar.

Nativos digitais não querem mais a educação tradicional. Como encontrar o equilíbrio?
Aprender precisa ser um prazer. É aí que entra a Gamification, porque deixa a aula extremamente interessante.

Os jogos também melhoram as competências emocionais?
Sim, se o professor estiver preparado para isto.

Pode indicar alguns jogos que se adaptam bem à realidade escolar?
Muitos. Carcassonne, por exemplo, ajuda em inteligência espacial e em matemática, especialmente para calcular potências. Mas qualquer jogo pode ser adaptado para uso na realidade escolar, mas tem que ser algo que o aluno descubra e não que simplesmente passe informação.

Como é o foco de seu trabalho na área educacional?
Trabalho com formação de professores para jogos, gamification e o uso da pedagogia da cooperação. Faço isso em cursos abertos, nas escolas e também pós-graduações.

É possível usar ou motivar o aluno para a leitura na Gamificação?
Superpossível, desde que não mande ler aqueles livros muito chatos tipo “A Moreninha”, aí pode ter um efeito inverso e o aluno passar a odiar não
só ler como jogar também. O livro tem que ser tão ou mais interessante quanto o jogo.

Plataforma Educação&Participação lança websérie para abordar novas aprendizagens no mundo digital
Educação e Participação
Vanessa Nicolav
23/05/2017

Além de materiais formativos, oficinas, cursos, dossiês, reportagens, debates virtuais, entrevistas e notícias, a plataforma Educação&Participação  lançou a websérie Educação&Participação. Transmitida pelo YouTube da plataforma, a proposta é  ampliar troca de experiências e informações.
Leia mais

 

 

Evolução das startups no mundo do livro
Dosdoce
José Antonio Vázquez
22/05/2017

Estados Unidos é o país que mais startups traz ao mundo do livro, com 53,46%. Em seguida vem o Reino Unido (12,13%), França (5,3%), Espanha (4,40%), Canadá (3,86%), Alemanha (3,50%) e Índia (1,98%). Os números podem variar, principalmente a partir do terceiro ou quarto posto.
Leia mais em espanhol

 

 

Recomendações de leituras em bibliotecas
Blog Conlicencia
18/05/2017

A recém lançada divisão da Demco, Inc.Demco Software, publicou um livro branco onde aponta as tendências em recomendações de leituras em bibliotecas. Esta nova divisão oferece aplicativos móveis, recursos de programação e ferramentas de gestão às bibliotecas do século XXI.
Leia mais em espanhol

 

 

Prêmio Educador Nota 10
Da Redação

Até o dia 12 de junho estão abertas as inscrições para educadores e gestores de todo o país. Serão distribuídos R$ 2,4 milhões para os profissionais que foram destaque no último ano. O objetivo é valorizar e disseminar boas práticas educacionais. Inscrições: www.educadornota10.org.br.

 

 

Os livros didáticos serão gratuitos ou por empréstimo a partir de 2018/2019
ABC Espanha
Sara Medialdea
24/05/2017

A nova lei, que chegará à Assembleia para aprovação nas primeiras semanas de junho, poderá ser aplicada às famílias dos mais de 615.000 alunos no ensino primário e secundário e FP básica que estudam em escolas públicas ou privadas da Comunidade de Madri.
Leia mais em espanhol

 

 

Vencedores do ‘Nobel’ da literatura infantil, Roger Mello e autor chinês fazem livro juntos
Folha de S.Paulo
Bruno Molinero
23/05/2017

“Tudo muda depois do prêmio. Principalmente a conexão com autores do mundo inteiro de uma forma mais efetiva”, diz o autor e ilustrador Roger Mello sobre o prêmio Hans Christian Andersen, considerado o Nobel da literatura infantojuvenil, que ele venceu em 2014.
Leia mais

 

 

Estante
Chapeuzinho do Avesso

Editora: M. Guarnieri Editorial
Autoras: Ana Luisa de Souza e Elena Corigliano
Ilustrações: Paulo Caruso
Páginas: 24
Preço: R$ 35,00
ISBN: 978-85-62951-06-0

Com lançamento dia 4 de junho, das 15 às 18 horas, na Livraria da Vila (Rua Fradique Coutinho, 915), em São Paulo, a obra traz a história de Chapeuzinho Vermelho cansada de ser conhecida e lida por crianças com menos de quatro anos de idade querendo ser moderna como Rapunzel ou Elsa.

 

0